Tirar ou não as cutículas? Eis a questão, com prós e contras médicos e estéticos elucidados

PAOLA REFINETTI
Colaboração para o UOL

  • Thinkstock

    Algumas manicures acreditam que tirar a cutícula dá um acabamento mais bonito na hora de passar o esmalte. Outras, porém, defendem as cutículas

    Algumas manicures acreditam que tirar a cutícula dá um acabamento mais bonito na hora de passar o esmalte. Outras, porém, defendem as cutículas

Hábito comum no Brasil, tirar a cutícula pode comprometer a saúde e a estética da mulher. Isso porque a cutícula tem importante função de proteger a unha da entrada de microrganismos e produtos químicos. Removê-la completamente pode causar infecções e até distrofias -distorção no formato da unha.

Algumas manicures acreditam que tirar a cutícula dá um acabamento mais bonito na hora de passar o esmalte. Nem todas, porém, concordam com esta análise que tem muito embasamento numa cultura local: na Europa e nos Estados Unidos, mulheres de elegância indiscutível se recusam a tirar a cutícula das unhas. Musa da Chanel nos anos 80 e ícone de estilo e beleza na França, Inès de la Fressange é apenas um destes muitos exemplos.

Produtos para tratar e embelezar as cutículas
Veja Álbum de fotos

Se o apreço pelos alicates varia de acordo com a nacionalidade da cliente, o perigo da transmissão das hepatites B e C - doenças graves -  atravessa todas as fronteiras. "Existe a chance. Então, o melhor é prevenir do que ter que remediar depois", afirma Paulo Olzon, infectologista e chefe da disciplina de clínica médica da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). "Há manicures e manicures. E não há fiscalização [nos salões de beleza] como em consultórios dentários e outras situações em que são utilizados instrumentos cirúrgicos. Por isso, o melhor é ter o seu próprio alicate. Sempre.", alerta.

Pesquisa reveladora

Enfermeira do hospital Emílio Ribas, de São Paulo, Andréia Schunk fez uma pesquisa com cem manicures para sua tese de doutorado. Constatou que apenas 5% utilizavam luvas descartáveis, nenhuma lavava as mãos, 93% não realizavam a limpeza prévia dos instrumentos e apenas 7% utilizavam materiais descartáveis. Foi verificado baixo nível de conhecimento sobre as vias de transmissão, prevenção e risco em relação a agentes infecciosos. Uma manicure ou pedicure de cada 10 participantes apresentou marcadores sorológicos de Hepatite B e C, sendo 8% da B (muito acima da estimativa população de São Paulo) e 2% da C (dentro da amostragem paulista).

  • Thinkstock

    "Melhor prevenir do que ter que remediar depois", alerta o infectologista Paulo Olzon, sobre a necessidade de ter o próprio alicate para tirar cutículas


Diante de tantas constatações ameaçadoras, impossível não se perguntar: ir à manicure é seguro? "Sim, se a esterilização [dos materiais] for feita corretamente.O forninho utilizado em muitos dos salões de beleza que visitei não é um equipamento de esterilização: serve simplesmente para assar pães de queijo e alimentos. Os equipamentos ideais para realizar a esterilização são dois: estufa ou autoclave. E funcionam de fato quando utilizados adequadamente. Antes da esterilização, todos os instrumentos de inox e metal devem ser lavados com água, sabão, com auxílio de uma escova de cerdas macias. Depois, enxaguados, secos e embalados, e daí sim  submetidos ao processo de esterilização", diz Andréia.

Mesmo com todos os cuidados de esterilização tomados, a pesquisadora afirma que cada pessoa tem que ter um kit individual com alicate, espátula, lixas, etc. "Os instrumentos da manicure não podem ser compartilhados", acredita.

Manicures em prol da cutícula na unha

Maria Rosa Barbosa, do salão Ricardo Cassolari, é manicure há mais de 28 anos e não retira toda a cutícula das clientes. "Deve-se fazer a unha sem tirar a pele. Se a cutícula for bem empurrada e o excesso for removido com um palito, o aspecto da cutícula fica muito melhor do que quando a removemos", diz a profissional. "Sempre sugiro que minhas clientes parem de remover a cutícula, mas a palavra final é sempre delas", afirma Maria Rosa que usa produtos específicos para amolecer e empurrar a cutícula.

  • Thinkstock

    Manicures de salões renomados defendem a permanência da cutícula na unha: dá sim para conseguir uma boa esmaltação com elas, segundo as especialistas


Conceição Oliveira, do salão CKamura, manicure há 22 anos, também tira cada vez menos cutículas de suas clientes. Mesmo as que tiram,"agora não tiram mais completamente a pele na base e em volta da unha", conta. Ela trabalha com 24 kits de manicure, casa um com alicate e espátula que são higienizados e colocados na autoclave a temperaturas que variam de 121ºC a 134ºC. Cada um é aberto na frente da cliente. Para amaciar a cutícula, ela usa exfoliante e emolientes, e com uma cureta empurra a pele e faz o desenho do contorno da unha. "Quem não tira a cutícula tem uma unha linda", acredita.

Gisele Camargo, do Picnidric Bar, tem 18 anos de profissão. Atende muitas mulheres que preferem não ver nenhuma pele em volta da unha, "porque dá um contorno mais bonito". "Mas é possível fazer uma unha incrível usando o removedor de cutícula, empurrando com a espátula e polindo com uma lixa fina.Convenci várias clientes a tirar menos a pele", diz. Para desinfectar seus alicates usa uma uma solução germicida e depois coloca no esterilizador. Foi instruída por médicos para usar esse procedimento.

Unhas bonitas e com cutícula

Hidratar, hidratar e hidratar. Esta é a principal dica para quem pretende parar de remover as cutículas. Existem no mercado produtos específicos, como canetas hidratantes, ceras e cremes redutores de cutícula, que com o tempo fazem a pele ficar cada vez mais fina e fácil de ser empurrada. E quanto mais o alicate é usado, mais rápido e espessa ela cresce. A dermatologista Carla Vidal dá a dica : durante o banho, empurrar levemente a pele, além de manter as mãos, unhas e cutículas sempre hidratadas.



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos