Com no máximo 100 convidados, "mini wedding" é opção para casamento íntimo e econômico

Mayara Alves
Do UOL, em São Paulo

Nem sempre o sonho de casamento dos noivos inclui uma grande festa, com muitos convidados, superprodução e afins. Por ser uma ocasião muito íntima e pessoal, o casal pode investir em uma cerimônia e festa menor e mais privada, conhecidas por "mini wedding". Além do orçamento menor, um dos grandes benefícios deste tipo de comemoração é que os noivos conseguem dar mais atenção para os convidados, que costumam beirar os 50. “Mas até 100 convidados ainda é considerado um 'mini wedding'. Mais que isso, já é um casamento normal”, explica Will Araújo, assessor de casamento do Santo Casamenteiro.

Segundo Vera Sartori, consultora e assessora de eventos, "é importante lembrar que esses são casamentos menores, mas não menos caprichados". "Pode ser somente uma benção religiosa, uma celebração civil seguida de uma recepção ou como os noivos desejarem. Normalmente, a cerimônia é feita em um espaço aconchegante e não deixa a desejar em comparação a grandes recepções de casamento”, complementa Mariana Sabino, cerimonialista e diretora da Atrium Cerimonial.

  • Thinkstock

    Cerimônia do "mini wedding" também pode ser realizada no próprio local da festa

Primeiro passo
Como ocorre em todo casamento, o primeiro passo de uma cerimônia na versão em miniatura também é fazer a lista de convidados. Só tem uma diferença: ela precisa ser bem enxuta e é por isso que pode dar mais trabalho. “Família, amigos bem próximos e aqueles com quem se tem convívio devem ser incluídos no começo. Não aquela prima do pai ou aquele parente que você não vê faz tempo. Esse não é o momento de revê-los”, afirma Vera Sartori.

Will Araújo também dá uma dica infalível. “Sempre digo que devem ser convidadas pessoas importantes da nossa vida, que façam parte da nossa história e que seriam convidadas para ir a nossa casa. E, claro, só convidamos pessoas importantes e queridas. Seguindo esse critério, acho muito mais fácil fazer a lista”, afirma. (Veja, no fim da matéria, mais dicas para enxugar a lista.) Depois dos nomes selecionados, vem o básico: perfil do evento, local mais indicado, decoração e bufê.

Case em casa
Por ser uma celebração menor, há muitos casais que têm optado por casar na própria casa, na dos pais ou na residência de campo ou de praia da família. “Existe essa possibilidade, desde que seja analisada e criada uma estrutura para a realização do casamento, como cobertura, piso, gerador e outros itens que são obrigatórios em uma festa”, lista Araújo. Além da infraestrutura, também é preciso estar atento ao conforto dos convidados.

Para Vera Sartori, quando é possível realizar a cerimônia e festa na própria casa, essa possibilidade é a mais indicada. “A cerimônia passa a ter ainda mais a cara dos noivos e a ser mais íntima, que é exatamente a intenção do minicasamento”, diz. No entanto, também é possível fazer o casamento em espaços menores ou até em restaurantes. A festa pode ser feita tanto durante o dia quanto à noite. Tudo depende da personalidade dos noivos e do estilo que querem dar ao evento. “Poder ser um brunch, um almoço ao som de um piano, um jantar com direito à pista de dança, entre outros”, comenta Vera.

  • Reprodução/Facebook

    Apesar do patrimônio bilionário, Mark Zuckerberg optou por um casamento no quintal de sua casa

A onda invadiu até o mundo dos famosos, incluindo Mark Zuckerberg, o fundador do Facebook, que se casou com Priscilla Chan no final de maio último, em sua casa em Palo Alto, na Califórnia (EUA). Segundo a imprensa internacional, a festa recebeu 100 convidados e a cerimônia foi realizada no quintal da residência do empresário.

Economia garantida
Além de todo o charme de uma cerimônia pequena, o minicasamento tem se tornado frequente por ser mais econômico do que o convencional --principalmente quando é feito em casa, visto que o valor de locação já é diminuído do orçamento geral do evento.

“O valor de um casamento é sempre multiplicado pelo número de convidados e, nesse caso, a multiplicação fica bem menor”, comenta Vera. Para ela, é possível gastar em torno de 60% a 70% a menos do valor que se gastaria em uma festa tradicional.

Porém, Mariana lembra que alguns fatores podem encarecer a festa. “Mesmo havendo menos gastos com mão de obra e quantidade de itens envolvidos, perde-se em ganho de escala. Um bufê ao estilo catering, por exemplo, terá um custo fixo maior ao oferecer um cardápio para poucos convidados, gerando um custo por pessoa mais alto que se comparado a banquetes para mais pessoas”, explica a cerimonialista.

Como enxugar a lista?
Pode parecer fácil na teoria mas, na hora de listar todos os amigos e parentes, é difícil cortar a maioria deles. “Em primeiro lugar, é importante que os noivos deixem claro aos pais que a lista de convidados será enxuta e que eles não vão abrir exceções”, aconselha a consultora de etiqueta Ligia Marques. O segundo passo é fechar o número máximo de convidados para a festa. Aí, então, segundo Ligia, pegue esse limite e divida-o igualmente entre cada família. Em seguida, liste as pessoas que não podem faltar, que são os familiares próximos --avós, pais e irmãos dos noivos com seus cônjuges.

“Depois, o ideal é estabelecer um critério para os demais convidados e respeitá-lo à risca. Isso vale para a família e para os amigos. Por exemplo: apenas dez amigos do clube, dez do trabalho e dez amigos de infância. Não abra exceções em relação aos critérios escolhidos”, aconselha Ligia. Quanto aos melhores amigos de cada um dos noivos, para simplificar, eles podem ser os próprios padrinhos. As crianças podem ser deixadas de lado, porque, como muitas vezes vão acompanhadas de babás, aumentam o número de convidados. “Os noivos podem colocar no convite, de forma delicada, que não será permitida a entrada de crianças”, aconselha Ligia.

Mas e o constrangimento de ser intimado por algum conhecido que não foi convidado e que, de repente, se autoconvida? “Isso pode acontecer, sim. Mas essa pessoa está sendo muito mal-educada e, portanto, os noivos não precisam se sentir desconfortáveis. Devem apenas dizer que será uma cerimônia muito íntima, que houve um critério para a seleção de convidados, que não poderiam abrir exceções para um, pois teriam que abrir para todos, e que somente poucos amigos e parentes estarão presentes”, explica Ligia.

Se for do gosto dos noivos, Ligia sugere o envio de um “cartão de participação” para amigos e parentes que não foram convidados. Esse cartão é enviado depois de a cerimônia ter sido realizada e informa que, a partir de tal data, os remetentes são pessoas casadas. 



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos