Saiba como identificar um viciado em sexo

WILSON DELL'ISOLA
Colaboração para o UOL

  • Getty Images

    Golfista Tiger Wood, que se internou numa clínica para viciados em sexo depois de ser flagrado pela mulher

    Golfista Tiger Wood, que se internou numa clínica para viciados em sexo depois de ser flagrado pela mulher

  • http://img.uol.com.br/ico_verfotos.gif VEJA 10 FAMOSOS

Que sexo é prazeroso, ninguém discute. Que muitos queiram praticar com boa frequência, é difícil negar. Mas existe uma linha que divide a apreciação saudável pelo ato de uma atitude absolutamente compulsiva. Algumas pessoas gostam tanto de sexo que se imaginam várias vezes ao dia em inúmeras fantasias e têm constante necessidade de buscar o prazer. E, claro, essa ideia fixa traz diversas consequências negativas. Em alguns casos, é possível identificar este indivíduo como viciado em sexo. Então, qual é a fronteira entre o instinto sexual e o hábito desesperado e compulsivo?

 

O termo “vício em sexo” é usado para descrever o comportamento de uma pessoa que tem obsessão incontrolável por sexo. As coisas relacionadas ao ato sexual e a simples reflexão sobre a prática tendem a dominar as ações do viciado, o que pode culminar na diminuição de rendimento no trabalho e no desgaste das suas relações sociais e familiares. Contudo, as consequências podem ser ainda mais graves, e dependendo do comportamento apresentado, o doente pode deixar muitas coisas escaparem, como emprego, casamento, filhos, carreira e até a sanidade.

 

É o caso de uma dentista de 32 anos, que viveu situação constrangedora: "Fui ao banheiro me masturbar. Meu chefe arrombou a porta e me flagrou naquela situação. E, claro, fui demitida". E quando a pessoa é famosa, o caso fica mais constrangedor ainda. Como o golfista norte-americano Tiger Woods, que viu sua infidelidade estampada recentemente nos jornais do mundo inteiro. Após ser flagrado pela mulher, a ex-modelo sueca Elin Nordegren, várias casos extraconjugais vieram à tona. Afastado do golfe, ele resolveu fazer terapia conjugal e, segundo várias publicações, ficou internado numa clínica para viciados em sexo com o objetivo de salvar o casamento. Outro caso famoso que vazou foi o do ator Michael Douglas, que se tratou na década de 1990.

 

Descontrole

Em relação à doença, que acomete cerca de 2% da população brasileira, Arlete Gavranic, educadora e terapeuta sexual, explica que o compulsivo vira escravo da necessidade de sexo, e esse sexo não quer dizer que a pessoa viva uma relação de intimidade, amor ou prazer por estar com alguém, mas uma busca para apenas aliviar a tensão: “O vício em sexo implica necessariamente no desenvolvimento de uma vida dupla, para que todas as suas ações sejam mantidas em segredo”. Para Carmita Abdo, professora de Psiquiatria e coordenadora geral do ProSex (Programa de Estudos de Sexualidade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas), é preciso investigar quando há uma mudança no comportamento sexual, ou seja, quando o indivíduo passa a ser controlado pelo desejo sexual. “O prazer só vira doença quando causa sofrimento, quando não há controle sobre ele e se impõe sobre qualquer outra necessidade ou urgência”, diz a especialista.

 

De acordo com pesquisa do psiquiatra norte-americano Martin Kafka, da Universidade de Harvard, os homens somam 95% dos indivíduos que sofrem com o aumento incontrolável da libido – geralmente com idade entre 20 e 30 anos. Isso porque desde pequeno eles são estimulados a viver uma sexualidade quantitativa como um sinal de virilidade. "Um dos meus pacientes, um executivo, tinha de ligar para a família ir buscá-lo no trabalho, pois caso contrário ele buscaria uma prostituta. Há também pessoas que procuram mendigos", relata Arlete Gavranic.

 

O que acontece

O viciado em sexo vive uma grande ansiedade que se manifesta por esses pensamentos, e que acabam se transformando em excitação sexual. Para atenuar a tensão que o domina, ele passa a se masturbar várias vezes por dia, mas quando a tensão é insaciável, a pessoa busca outros comportamentos sexuais, como parceiros fixos ou totalmente desconhecidos. “Eles têm necessidade de ter muitas relações e, caso não atinjam essa satisfação em casa, a procuram indiscriminadamente, o que traz muitos riscos, inclusive de doenças sexualmente transmissíveis”, afirma Carmita Abdo. “O indivíduo fica aprisionado e passa a ter no sexo sua única prioridade”, conlcui.

 

Muitas hipóteses sobre as possíveis causas da compulsão sexual já foram apresentadas por especialistas da área: carência ou problemas emocionais durante a infância ou a adolescência, traumas graves, depressão, descontrole comportamental e transtorno de ansiedade. Existe uma corrente que, inclusive, levantou a hipótese de ter origem genética – que em pouco tempo foi desconsiderada.

 

Como tratar

Para que a compulsão possa ser tratada, é preciso que a pessoa – ou alguém próximo – perceba o quadro e a necessidade de ajuda. Este indivíduo será cuidado pela psicoterapia com o auxílio de medicamentos (antidepressivos para diminuir a libido e o impulso sexual).

 

Outra opção indicada é a participação de grupos de autoajuda, como o grupo Dependentes de Amor e Sexo Anônimos (www.slaa.org.br), que promove reuniões para as pessoas partilharem suas experiências com outras que vivem o mesmo drama. “Esses grupos são extremamente úteis, porque às vezes é mais fácil enxergar o problema no outro, o que certamente ajuda na assimilação. Mas o ideal é reunir todas as medidas simultaneamente: tratamento psicoterápico, medicação e grupos”, explica Abdo. Em casos mais sérios, a internação em clínicas especializadas pode ser necessária para que o tratamento tenha êxito, como aconteceu com o ator Michael Douglas, internado no início dos anos 1990.

 

 

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos