Conheça mitos dos filmes eróticos que você não deve colocar em prática na vida real

Andrezza Czech
Do UOL, em São Paulo

Nos filmes pornográficos, o casal está sempre pronto para o sexo e não é preciso sequer passar pelas preliminares para que ambos cheguem ao orgasmo –simultaneamente, claro. Não há dificuldade para fazer as mais difíceis posições do Kama Sutra, qualquer lugar é adequado para transar e o sexo sempre é perfeito, prazeroso –e escandaloso.

Assistir a um filme erótico como forma de aumentar o clima entre o casal pode ser interessante, desde que não se torne algo muito frequente. "Se o casal sempre precisa dos filmes para se excitar, isso denota uma dificuldade na relação. Não se deve se criar uma dependência. E é preciso que o homem tenha a noção de que nem toda mulher vê o filme de forma positiva", afirma a psicóloga e terapeuta sexual Carla Cecarello, presidente da ABS (Associação Brasileira de Sexualidade).

O problema é que os filmes podem criar uma imagem errada de como uma relação sexual deve acontecer, principalmente para quem ainda não tem experiência sexual. Segundo pesquisa realizada com pessoas de entre 16 e 24 anos pela Universidade de Plymouth, no Reino Unido, e pela UK Safer Internet Centre, um em cada três jovens admitiu que a pornografia afetou seus relacionamentos. "Mostrar filmes ou revistas pornográficas para adolescentes é muito ruim, porque eles podem pensar que devem fazer igual aquilo que veem", afirma Carla.

Para o psicoterapeuta Oswaldo Martins Rodrigues Jr., diretor do Inpasex (Instituto Paulista de Sexualidade) e autor de "Objetos do Desejo" (Editora Iglu), os vídeos eróticos somente são comprados porque mostram que as fantasias masculinas podem acontecer –por isso a maioria passa uma visão machista do sexo. “Na falta de educação sexual formal, os vídeos eróticos têm servido de modelo sexual para todos adolescentes que os acessam, que não são poucos. O que é assistido pode se tornar um padrão para eles", afirma.

Para que você não coloque em prática aquilo que não deve sair da ficção, o UOL Comportamento conversou com especialistas para listar os maiores mitos dos filmes eróticos.

Sempre pronto

Nos filmes, qualquer hora é hora para fazer sexo. "É mais comum que os homens consigam estar prontos mais rapidamente do que as mulheres, embora eles também possam ter ansiedade e, em algumas situações, precisem de um tempo maior para a ereção. Mas elas sempre precisam ter um estímulo antes, por isso as preliminares são fundamentais", afirma Carla Cecarello. Para Rodrigues Jr., diretor do Inpasex, dificuldades sexuais também existem para os protagonistas dos filmes. "No início da década de 1990, havia um filme nas locadoras que mostrava as cenas de bastidores das filmagens, incluindo uma cena de perda de ereção de um ator consagrado na época", afirma ele. Segundo ele, o uso de substâncias facilitadoras de ereção, sejam orais ou injetáveis, passaram a ser comuns para os homens a partir do início da década de 1990. No caso das mulheres, é frequente o uso de lubrificantes ou vibradores para dilatar as aberturas vaginais ou anais.

Falta de preliminares

Como praticamente todos os filmes disponíveis costumam ser destinados a homens, iniciar do modo mais direto possível parece fazer sentido. O problema é que, na vida real, é praticamente impossível que a mulher tenha sexo satisfatório se não houver preliminares. “Ela precisa da parte sensorial bem desenvolvida para que haja a lubrificação, que é o equivalente à ereção masculina. Até o homem necessita de uma estimulação prévia, por menor que seja”, afirma Carla.  

Clímax cantado 

Embora não haja um único filme erótico em que as atrizes não gritem escandalosamente quando chegam ao orgasmo, na vida real, uma mulher raramente fará o mesmo. E, se o fizer, ainda pode amedrontar o parceiro, pois essa é considerada uma das atitudes mais brochantes na hora do sexo. "Se fugir do contexto de uma brincadeira do casal, gritar pode assustar. Situações diferentes de vez em quando valem a pena, mas é difícil chegar no nível dos filmes. Pode ficar muito falso e o outro pode achar que você está fingindo", afirma.

Orgasmo simultâneo

No mundo ideal –e nos filmes pornôs–, homem e mulher chegam ao clímax no mesmo momento. Em alguns casos, a mulher ainda chega antes e consegue ter vários orgasmos antes que o homem tenha o seu. Infelizmente, é comum que as mulheres demorem mais para alcançar o orgasmo e que até finjam que o alcançaram –um problema que também acontece com alguns homens. “Os caras sempre chegam ao orgasmo no final de toda a cena, depois da mulher ou junto com ela. Na vida real, acontece de o homem ter ejaculação mais rápida. O controle ejaculatório do ator é maior porque ele só faz isso”, afirma a psicóloga, terapeuta e educadora sexual Ana Canosa, autora de "Crescendo na Sexualidade" (Editora Sttima). Para Rodrigues Jr., os filmes primam pelo desempenho sexual e, como o orgasmo é o objetivo final, ambos precisam alcançá-lo. “Ainda mantendo a falácia do orgasmo simultâneo, pela crença de que assim é melhor”.

Explore melhor os pontos erógenos do homem e da mulher

  • Clique na imagem para saber como e onde tocar o corpo dele e dela

 

Sem parar

Nos filmes não há pausa, ninguém cansa ou precisa de uns minutinhos para se recompor. Brochar, nem pensar. “Enquanto na vida real, em uma virada de posição a ereção pode diminuir um pouco, nos filmes, tudo é perfeito”, afirma Carla Cecarello. Para Rodrigues Jr, tudo isso não passa de uma ilusão. “Os atores só parecem ficar horas transando. A edição é feita de tal forma que conduz quem assiste as cenas a perceber uma passagem de tempo que parece ser de horas. Mas a gravação permite intervalos para descanso entre as cenas de sexo, inclusive de um dia para outro”, diz ele.

Posições absurdas 

“Os filmes mostram posições que não levam em conta que a postura pode ser muito difícil para a coluna, o desconforto que muitas mulheres têm na hora da penetração ou a dificuldade que homens podem ter por conta do tamanho do pênis”, diz Carla. Segundo Rodrigues Jr, como um filme pode ser produzido em vários dias, as posições podem ser tentadas à exaustão, mas, obviamente, o cansaço jamais será exposto.

Locais impossíveis 

Escritório, elevador, escadas... Qualquer lugar é válido para fazer sexo nos filmes do gênero. Ninguém se incomoda com um degrau, com o chão duro ou com a possibilidade de aparecer o chefe a qualquer momento. “Pode acontecer de pintar o clima num lugar estranho de vez em quando, mas a realidade não é tão extrema. Muitos casais se incomodam com lugares muito exóticos, principalmente a mulher”, diz Carla Cecarello. Para Rodrigues Jr., a história sempre precisa ser diferente para disparar o desejo sexual. "Isso pode ser verdadeiro para algumas pessoas ou casais, mas não para a maioria”, afirma ele.

Sexo anal fácil

Nos filmes pornôs, o sexo anal é a coisa mais fácil e rápida de se fazer do mundo. Para Ana Canosa, esse é o grande engodo dos filmes. “As mulheres usam um plug anal antes da filmagem, mas tudo é passado como se não houvesse preparação, como se ela ficasse imediatamente preparada e com o ânus dilatado”, afirma ela. Segundo Rodrigues Jr., as mulheres também se preparam com vibradores por um bom tempo antes das cenas serem gravadas. “A fantasia masculina dirige essas cenas nos vídeos, incluindo a percepção de que sempre será fácil”, afirma ele.

Posições ajudam a superar obstáculos que atrapalham o sexo

  • Clique na imagem para conhecer posições que facilitam a vida de homens e mulheres

Falta de delicadeza na masturbação

Nos filmes eróticos há sempre uma agressividade excessiva durante a masturbação alheia. Para Ana Canosa, o problema é que não é mostrada a diferença de intensidade para cada pessoa. “Cada um tem um ritmo. Os filmes são muito repetitivos, tudo muito intenso. Os homens põem muita força no clitóris da mulher”, afirma ela. A força excessiva não é apenas um problema dos atores dos filmes: as atrizes também exageram na intensidade da manipulação nos homens.

Mulheres sempre acariciam os seios

Seja durante a relação sexual, na masturbação ou no banho, as atrizes de filmes pornôs costumam acariciar os próprios seios -e parecem sentir muito prazer com isso. “Elas fazem isso como se fosse super excitante e todas tivessem essa facilidade de se tocar”, diz Ana Canosa. Lamentamos informar, mas isso não acontece na vida real. “As mulheres dificilmente fazem isso. Aliás, são raras as que conseguem pedir para que haja o toque na região”, afirma Carla Cecarello. Para Rodrigues Jr., há uma repetição no padrão estético dos filmes eróticos: no caso das mulheres, os toques nas mamas, nádegas e baixo ventre, e, no caso dos homens, no pênis. “Parece que a ideia é de sensualizar sempre, com posições e atos que se supõem eróticos do ponto de vista masculino”, afirma ele.

Sem nojo 

Nos filmes, a mulher não só não se incomoda, como adora engolir e ter jatos de esperma no rosto. “A realidade é bem diferente. Muita mulher acha nojento. Aquilo tudo foi feito para ser um estímulo a mais, mas não se copiar”, diz Carla. Para Ana Canosa, a visualização da ejaculação é interessante para os homens, por isso, nos filmes, os homens sempre lançam o esperma para fora. “É um mito que foi criado para mostrar a ejaculação. Tem mulher que gosta, tem mulher que não gosta. E é preciso tomar cuidado com doenças sexualmente transmissível nesse caso”, afirma.

Garganta profunda

Protagonista de filme pornô que se preze é capaz de fazer o melhor sexo oral do mundo e sem enjoar. “Não são todas as mulheres que conseguem fazer isso. As dos filmes têm técnica para colocar o pênis na boca de uma forma que não provoca ânsia, mas, na vida real, isso é difícil”, afirma Ana. E elas parecem gostar quando o parceiro é agressivo e puxa seus cabelos para incentivá-la a continuar. Rodrigues Jr. acredita que essa fantasia é disseminada nos filmes porque, como quem os consome são os homens, são eles que dirigem as ações sexuais. 

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos