Céu de julho de 2012

Barbara Abramo

Poucos meses prometem tantas oscilações astrológicas quanto julho. A tensão entre Urano e Plutão --dois astros de amplitude coletiva e lentos em seus trânsitos-- estarão desafiando o nosso entendimento sobre autoridade e rebelião, contrapondo forças poderosas nos dois campos. Em alguns meses deste ano, essa condição astral se torna mais aguda e seus reflexos podem ser observados em vários países, guerras, ataques e rompimentos de acordos. Julho é um mês com perfil desafiador em primeiro plano.

Tanto o Sol como Marte são os astros responsáveis pela ativação do cenário astral de fundo. O Sol em Câncer e a lua Cheia do início de julho são promessas de oscilações para a primeira semana do mês. Como em toda cheia lunar, o período é de polarização e confronto que, desta vez, tornam mais urgentes as tentativas de encontrar uma coexistência pacífica entre tecnologia e controle social ou entre a emergência de patriotismos regionais e o fortalecimento progressivo de instituições supranacionais com poder econômico.

Disto, teremos clareza: a briga entre essas forças será uma realidade e exigirá a participação de muitas cabeças pensantes no sentido de ajudar a liberar o que não serve mais, em prol da manutenção do que seja essencial. E em todos os planos, não apenas no financeiro, na zona do Euro, no norte da África ou nos pontos de conflito crônico espalhados pelo planeta --Síria, Irã, Coreia etc. Esse é um processo global que convocará todos, em grau maior ou menor, a participarem para buscar saídas e soluções criativas, novas, ousadas e nunca experimentadas.

O Brasil se insere neste quadro geral. Depois de uma forte ativação da cena política oposicionista, temos um mês em que as relações internacionais ganham destaque, tornando-se uma excelente moeda de troca em um mundo em crise. O Brasil pode aproveitar as janelas astrais da primeira quinzena, por exemplo, para propor novas soluções ou medidas de consenso.

A primeira quinzena é a mais produtiva para o Brasil --também na área econômica, financeira e material. A rigor, pouco ou nada pode abalar a onda positiva que o país vive até 2022 e nossos empresários precisam aprender a trabalhar com esses dez anos de prosperidade prometida pelos astros. Mercúrio em Leão movimenta e acentua as trocas, o comércio internacional e os tratados e acordos com outros países. Esses acordos podem compreender, também, aspectos ligados a educação, leis, direitos, expansão e fortalecimento de fronteiras.

O que o Brasil tem de ponto sensível? A Câmaras, o Senado, e todos os significados da casa 2 do mapa do país: riquezas e recursos naturais extraídos do subsolo. A propalada tensão entre os dois titãs Urano e Plutão se farão sentir nessas áreas. Para complicar um pouco a situação, temos Marte, o planeta da combatividade, no signo da diplomacia, anunciando atritos e conflitos entre pessoas de posição importante nas Câmaras, devido à hesitação, desorientação ou dificuldade em reconhecer as diferenças, para, então, considerar sua possível superação ou não.

Um grande consórcio de poder montado pode ser reflexo dessa quadratura, sendo Plutão o exemplo mais cabal desta força tentacular que permeia interesses não expressos. É bem o perfil de Plutão. Do outro lado, temos Urano, planeta da rebelião contra esse estado de coisas, que vem da tecnologia da informação, abrindo canais. Será uma luta de titãs.

Se no Brasil Marte complica a vida política interna, no mundo promete conflitos armados de consequências inesperadas entre 15 e 20 de julho. Será um dos períodos de mais belicosidade por causa da hesitação e postergação de dirigentes envolvidos. A falta de assertividade e a dificuldade em reconhecer interesses diferentes serão um perigo real aos povos de boa vontade.

No Brasil, a terceira semana pode indicar acidentes aéreos e problemas nas estradas e vias de comunicação, além de panes elétricas, problemas nas centrais de eletricidade e nos metrôs. É a quadratura entre Marte e Urano que cria essa condição, propensa a acidentes e eventos imprevistos.

Nos Estados Unidos, ocorre um momento de tensão, já que aquele país estará recebendo todos os raios arrevesados com muita intensidade. A lua Nova em Câncer ocorre no dia 19, tem ligação com Saturno --que indica o peso da realidade e dos compromissos sociais cobrando atenção-- e em um momento em que o cenário astral explosivo estará ativado por Marte. Não devemos nos espantar com as notícias desses dias.

No fim de julho, finalmente um aspecto positivo que destaca o poder do diálogo e da responsabilidade social, seja em relação ao planeta Terra ou a decisões na zona do Euro.

Vênus e Saturno, em ótimo, aspecto favorecem e facilitam a pacificação, advinda de figuras femininas, aliás. Para o Brasil, sucesso para alguém da oposição política. Alguém articulado, desenvolto e inteligente surge para formalizar acordos de longo prazo que terão impacto decisivo nas eleições de outubro próximo.

É sobre esse clima elétrico que termina o primeiro semestre deste ano. Conturbado e inesquecível!

Últimas de Mulher



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos