Em SP, vizinhos de Congonhas pedem janela antirruído

São Paulo - A instalação de janelas grossas e abafadores de ruídos em imóveis vizinhos ao Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, pode ser uma saída para reduzir o impacto provocado pelos pousos e decolagens dos aviões. A sugestão foi dada pela Associação dos Moradores do Entorno do Aeroporto (Amea) ao grupo de trabalho coordenado pelo Ministério Público Federal (MPF) que busca soluções para a poluição sonora na região.

O MPF admite estudar esta e outras propostas que visem a minimizar o desconforto causado pelos aviões. Duas associações são favoráveis à ideia. Para elas, deve-se só tomar cuidado para que os equipamentos antirruído sejam instalados em imóveis cujos moradores, comprovadamente, tenham a saúde afetada pelo barulho.

"O aeroporto não vai sair do lugar. Estamos pesquisando soluções que melhorem a situação dos moradores", diz o empresário Edwaldo Sarmento, vice-presidente da Amea. A proposta das barreiras antirruído nas casas foi inspirada em medida adotada no Aeroporto de Scottsdale (Arizona), nos Estados Unidos.

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), responsável por Congonhas e outros 86 aeroportos no País, informou que questões tratadas no grupo de trabalho de poluição sonora seriam respondidas pelo MPF. As informações são do "Jornal da Tarde".

UOL Cursos Online

Todos os cursos