Verba de boom imobiliário pode ir para o metrô em SP

  • Mateus Bruxel/Folhapress

    Imagem mostra composição na linha Azul do Metrô de São Paulo, próxima a estação Armênia

    Imagem mostra composição na linha Azul do Metrô de São Paulo, próxima a estação Armênia

A Prefeitura de São Paulo quer usar o dinheiro do boom imobiliário da região da Avenida Brigadeiro Faria Lima, na zona sul, para investir pelo menos mais R$ 1 bilhão em uma nova linha de metrô na capital, que aparece com detalhes nos mapas da companhia pela primeira vez.

Linha amarela deve abrir todos os dias em outubro

A linha 4-amarela do Metrô de São Paulo deverá passar a funcionar em horário integral - abrindo também domingos e feriados - em "duas ou três semanas", segundo Luís Valença, presidente da Via Quatro, a concessionária que administra a linha.

Batizado de Linha 20-Rosa, o novo ramal terá 12,3 quilômetros de extensão e ligará a Lapa, na zona oeste, a Moema, na zona sul.

A linha faz parte do Plano Expansão 2020 do Metrô, a que a reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo" teve acesso com exclusividade. O estudo projeta o sistema com até 161 estações de metrô na região metropolitana - hoje são 62 - e ampliação dos atuais 70,6 km para 184,2 km de linhas. A previsão de investimento estadual na rede é de R$ 27,4 bilhões até 2015.

Nos estudos preliminares do Metrô, a Linha 20-Rosa aparece com entrega prevista para 2025, mas a Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos acredita que esse prazo possa ser encurtado graças ao interesse da Prefeitura em investir no ramal.

O projeto inicial prevê 14 estações, espalhadas pelas zonas estritamente residenciais próximas da Praça Panamericana e por toda a extensão da Faria Lima.

No mapa do Metrô, é possível ver que a futura linha tem tudo para ser polêmica, uma vez que passa por áreas valorizadas, como Jardim Europa e Jardim América.

Linha 4 tem lotação e desorganização

O dinheiro da prefeitura viria das contrapartidas pagas pelo mercado imobiliário da região da Operação Urbana Faria Lima para construir prédios acima do limite da lei de zoneamento.

Como o jornal "O Estado de S. Paulo" revelou há duas semanas, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) enviou um projeto à Câmara Municipal que prevê a emissão de mais 500 mil Certificados de Potencial Construtivo (Cepacs), títulos que permitem a construção de edifícios mais altos.

Esses papéis devem render cerca de R$ 2 bilhões aos cofres públicos - no último leilão da operação, em 25 de maio de 2010, cada Cepac foi comercializado por R$ 4 mil, valor considerado baixo, pela demanda do mercado.

Parte do valor arrecadado deve ir para a Linha 20 do Metrô, já que, por lei, esse dinheiro deve ser aplicado no perímetro da Faria Lima. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos