Quando alugar um imóvel pode ser melhor que financiar a casa própria?

SÃO PAULO – A decisão de comprar um imóvel não é das mais fáceis. Embora o crédito imobiliário tenha registrado números recordes nos últimos tempos, entrar em um financiamento que o acompanhará por anos exige pensar duas vezes. Será que alugar não é uma opção melhor?

Para a gestora de investimentos Claudia Kodja, a decisão de compra da casa própria não pode considerar o cálculo, pois envolve também aspectos emocionais. “O que é importante entender que, ao financiar um imóvel, troca-se uma relação comercial com um locador, cujo aviso de possível desistência não passa de 30 ou 90 dias, para uma relação com a mesma instituição financeira por 15 ou 30 anos”, afirma. “É preciso prudência, porque nesse tempo muitas coisas podem mudar, inclusive sua renda”.

Porém, se o consumidor conseguir se livrar do aspecto emocional trazido pelo ideal da casa própria, pode se surpreender ao perceber que pagar aluguel por um pouco mais de tempo é uma alternativa a se pensar.

O que é mais caro?

O professor de Análise de Cenários Econômicos da Fipecafi (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras), Silvio Paixão, tem um forma bem objetiva para ajudar no raciocínio: “Digamos que estou pagando R$ 1.000 de aluguel e quero tomar dinheiro emprestado para financiar a compra do imóvel. Se a parcela do financiamento for menor que a parcela da locação, vale a pena financiar”, disse ele.

Já no caso em que a pessoa tem dinheiro para pagar o imóvel à vista, ele apenas precisa calcular se este dinheiro, aplicado, teria um rendimento líquido (após subtrair os impostos, taxas e encargos) maior que o valor do aluguel.

“Eu pago R$ 2.000 de aluguel. Quando eu aplicar meu dinheiro, receberei mais de R$ 2.000 (de rentabilidade)? Então, vou deixá-lo aplicado e continuar no aluguel”, disse Paixão.

Metade do tempo

Para Cláudia, na maioria dos casos, permanecer mais tempo pagando aluguel é financeiramente mais vantajoso. “Se você parcela por 20 anos um imóvel de R$ 100 mil com prestações de R$ 1.400, você poderia continuar morando de aluguel, pagando R$ 750 por mês, que, juntando a diferença, acumularia o montante suficiente para comprar o imóvel à vista em 10 anos – a metade do tempo”, exemplificou a gestora. “E a aplicação pode ser em uma renda fixa, na taxa de rentabilidade média do mercado. Nada impossível de se obter”, declarou.

Claudia acrescenta que, mesmo a taxa de juros dos financiamentos imobiliários sendo uma das menores entre os demais produtos financeiros, o peso ainda é muito alto, porque a dívida leva muito tempo para ser quitada. “O aluguel não é uma coisa ruim nem um bicho de sete cabeças. É muito possível que, investindo a diferença entre a parcela do financiamento e o aluguel, você consiga comprar o mesmo imóvel na metade do tempo”, alertou.

Outras coisas a observar

Paixão observa um aspecto importante a ser analisado antes de tomar a decisão: o potencial de valorização do imóvel. “O financiamento que vou fazer deve me permitir obter um imóvel que será apreciado daqui alguns anos. Não faz sentido pagar R$ 1 milhão em uma casa que valerá R$ 800 mil daqui cinco anos. Terei perdido dinheiro”, disse.

A recomendação final de Cláudia é permanecer no aluguel, pelo menos o tempo suficiente para acumular um montante necessário para dar uma boa entrada no financiamento, reduzindo assim o prazo do endividamento.

“O aluguel compromete menos a renda que o financiamento. E o lado emocional deve ser deixado de lado, afinal, até você quitar totalmente as parcelas, a casa continua sendo do financiador, e não sua, e ele pode tomar o imóvel de volta com muita facilidade, em caso de inadimplência”, declarou a consultora.

UOL Cursos Online

Todos os cursos