Repiques da crise podem afetar mercado imobiliário

SÃO PAULO - A venda de imóveis residenciais novos em São Paulo caiu 31% na comparação do primeiro semestre de 2010 com o mesmo período de 2011.

De acordo com o Secovi-SP, o avanço da inflação e as medidas de contenção do crédito contribuíram para o desaquecimento.

No entanto, considerando apenas o mês de junho, as vendas cresceram 14,1% sobre maio. Porém, os rumos da economia mundial preocupam. "O Brasil está forte, tem uma boa base e uma economia estável. Mas crises globais acabam nos impactanto. Devemos ficar atentos, embora eu ache que não sofreremos muito com essa 'nova crise' que estamos vendo agora", afirmou o presidente da entidade, João Crestana.

Segundo semestre
Ainda de acordo com a entidade, o segundo semestre - que costuma registrar melhor desempenho de lançamentos e de vendas - pode ser afetado pelas instabilidades externas e registrar números menores.

"Não estamos mais naquele momento de 2010 de vender um prédio em dois meses, mas eles estão sendo vendidos em sete meses, o que também é um bom prazo. Porém, com esses repiques da crise de 2008, o mercado imobiliário pode ser afetado", completou Crestana.

Para o economista da entidade, Celso Petrucci, a oferta de imóveis novos residenciais na cidade deve superar 13,7 mil unidades, volume inferior à média de 20 mil unidades existentes em 2009. Vale ressaltar que o volume de lançamentos está maior que o de comercialização em 2,3 mil unidades nos últimos seis meses.

UOL Cursos Online

Todos os cursos