Novo índice de preços de imóveis do IBGE divide especialistas

São Paulo - Especialistas no mercado imobiliário apresentam opiniões divergentes em relação ao novo índice de preços de imóveis no Brasil, que será calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O diretor executivo do Sinduscon-RJ (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio de Janeiro), Antonio Carlos Mendes Gomes, acredita que o indicador será importante para o mercado. “É um indicador confiável pela origem [o IBGE](...) É um instrumento adequado para que a sociedade tenha uma visão melhor, se posicione e interfira nesse processo, aproveitando as oportunidades, os momentos adequados. Enfim, acho que (o índice) é bom para todo mundo. É muito bem-vindo”, disse, segundo a Agência Brasil.

A opinião é compartilhada pelo presidente do Creci-RJ (Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Rio de Janeiro), Casimiro Vale. “Era uma reivindicação do Creci. É bom para ter um parâmetro de valor do mercado, principalmente com relação aos financiamentos”, disse.

Para ele, os consumidores também se beneficiam com o novo índice. “Entendo que é bom. É uma coisa mais justa”, afirmou.

Opinião contrária

Já o vice-presidente da Ademi-RJ (Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro), Rubem Vasconcelos, tem opinião diferente. Para ele, o índice pode se transformar em elemento de controle dos preços no setor. “Não existe controle de preço. A gente pesquisa preço. A lei da oferta e da procura é que comanda os mercados. Não é ranqueamento, nem tabelamento de preço”.

Vasconcelos defende que seja feita uma publicação mensal das pesquisas de preços praticados e não uma tabela de preços do mercado. “Isso é falso. Isso é mentiroso, porque o mercado vive de uma lei de oferta e de procura e pode ir ao céu, como pode ir ao inferno”.

Ainda de acordo com o o vice-presidente da Ademi-RJ, o procedimento que será usado pelo IBGE para acompanhar os preços dos imóveis pode conter falhas. “Ele vai jogar os preços dos imóveis para cima, quando deveria proteger. Eu discordo dessa política de controle e de acompanhamento do governo. Não é função do governo acompanhar isso. Ele tem que deixar o mercado livre”, finalizou.

O índice

O IBGE já estuda a metodologia a ser aplicada para o índice, que será criado de acordo com o Decreto 7.565 do Governo Federal, publicado na última semana no Diário Oficial da União.

O instituto disse, em nota, que está desenvolvendo estudos para acompanhar a evolução dos preços no setor imobiliário. “A metodologia para o cálculo, bem como todos os procedimentos que envolvem um índice referente ao setor, está sendo discutida e terá como base as recomendações de países ou instituições que já produzem esse tipo de indicador”, diz a nota.

De acordo com a assessoria de imprensa do IBGE, ainda não há previsão de quando o novo índice será divulgado.

UOL Cursos Online

Todos os cursos