Mulheres são mais propensas à bissexualidade?

Colaboração para o UOL

O apelo da mídia para a bissexualidade entre as mulheres é nítida. A exemplo dos selinhos vistos nas edições do “Big Brother Brasil”, nas propagandas como a da Arezzo, em que as atrizes que as atrizes Juliana Paes e Cléo Pires posam juntas em cenas com atitude lesbian chic na campanha do verão 2010, além de cantoras e atrizes que aparecem na TV e em revistas, como Daniela Mercury, que lascou um beijo em Alline Rosa em uma gravação de DVD.

 

Apesar disso, não é correto dizer que as mulheres sejam mais propensas a assumirem e praticarem sua bissexualidade, mas é certo afirmar que a aceitação da sociedade é maior para meninas do que para meninos. Desde pequenas, as meninas se cumprimentam com beijos, andam de mãos dadas e até dormem abraçadas sem que isso pareça ofensivo.

 

“Elas possuem mais facilidade porque a repressão social é menor. Não é por acaso que a principal fantasia dos homens é ver duas mulheres se beijando”, explica Regina, que completa: “A orientação sexual geralmente é definida na infância, mas assumida na adolescência”. Por isso é natural que na infância aconteçam experimentações sexuais com pessoas do mesmo sexo, até pela curiosidade e facilidade de aproximação, mas estas experiências não definem a orientação do indivíduo, que só terá a consciência exata de suas vontades entre 12 e 16 anos. (Wilson Dell'Isola)


 

UOL Cursos Online

Todos os cursos