Vampiros atacam em território corporativo

Colaboração para o UOL

No ambiente de trabalho, é comum encontrarmos tipos egoístas, invejosos, falsos, mesquinhos. Como neutralizar o comportamento de cada um deles? “Todos nós temos alguém que ‘alimentamos’ física, intelectual ou mentalmente. Isto pode ocorrer no trabalho, no lazer, na família ou até no nosso relacionamento afetivo. O primeiro passo é compreender que a forma como uma pessoa se comporta diz respeito a ela e não a você. Levante as suas possibilidades e considere a melhor alternativa para administrar a situação”, informa Sâmia Simurro, da ABQV.

 

Uma maneira de se livrar do ataque dos vampiros no ambiente profissional é, segundo o consultor Eduardo Shinyashiki, manter a atenção nas coisas que realmente são importantes para si mesmo. “Foque nos resultados que se deseja atingir, nas próprias qualidades, nos pensamentos alinhados com os resultados, na clareza dos próprios valores, nas ações coerentes com os seus valores, nas pessoas importantes para você. Jamais norteie as suas atitudes por reação a comportamentos egoístas, invejosos, falsos e mesquinhos”, aconselha. Foi o que fez a assistente de marketing Adriana Mendes, 30 anos, de São Paulo. “Cansei de brigar com uma colega que vivia roubando minhas ideias. Em vez de continuar a bater de frente, decidi procurar outro emprego. Hoje estou melhor do que ela, que precisa se virar sozinha.”

 

Já quem lida com chefes tiranos, egoístas e/ou que dão ordens contraditórias, deve evitar bater de frente. Esses “vampiros corporativos” sabem que sua força está no medo e na submissão do outro, mas, de acordo com a terapeuta holística e filósofa Helena Helena Lambrou, de São Paulo, costumam se desarmar de duas formas: “Percebendo a segurança e postura do outro e quando a pessoa sugere, em vez de contestar”, afirma.

 

Para Helena, existem ambientes profissionais que facilitam a vampirização. “A disposição dos móveis, colocando as pessoas de costas umas para as outras, faz com que os olhos batam exatamente na cabeça ou nas costas alheias. Se uma pessoa é 'vampira', tira até o raciocínio da outra. O correto seria as mesas ficarem unidas e, as pessoas, de frente umas para as outras. Se for possível, sugerir a troca da disposição dos móveis. Se não for possível, ficar de lado o máximo possível e manter em cima da mesa uma turmalina preta, para evitar energias negativas. A pedra deve ser lavada em água com sal grosso, toda semana”, recomenda. (Fernanda Junqueira)


 

UOL Cursos Online

Todos os cursos