A força do artesanato em parceria com novos talentos da moda

Colaboração para o UOL Moda

  • Gladstone Campos/Reaphotos

    Desfile de calçados e acessórios de Nuri Choo, na Fábrica Morumbi Fashion

    Desfile de calçados e acessórios de Nuri Choo, na Fábrica Morumbi Fashion

Manter o artesanato vivo, revigorado pelo frescor de novos talentos da moda - esse é o foco do projeto Fábrica MorumbiFashion, que apresentou seus desfiles na manhã de hoje (11), em evento badalado na Estação São Paulo.

Nesta quinta edição, cinco novas estilistas foram selecionadas por professores da Faculdade Santa Marcelina e profissionais da área, são elas: Nuri Choo (acessórios), Luiza Pereira (joalheria), Andrea Sahyoun, Carolina Satie e Juliana Lopes Martins (estilo).

Cada uma em sua área de atuação, as novas estilistas tiveram de unir o conhecimento de sala de aula com o trabalho de cooperativas de artesanato da capital e do interior. A parceria, possibilitada por intemédio do Sebrae -SP, injeta novos ânimos ao artesanato tradicional do Estado e estimula a produção de um produto puramente brasileiro, reconhecido e desejado no exterior, mais ainda pouco valorizado no mercado interno. Nas palavras do curador do projeto, o estilista Walter Rodrigues, essa troca de informações "vai além dos sonhos, traz para o universo da moda um universo paralelo, que é o artesanato".

Depois de uma breve apresentação do projeto, feita por Walter Rodrigues, a estreante Nuri Choo apresentou sua coleção de sapatos e bolsas em um desfile com clima intimista e emocionante, onde o branco e o off-white dominavam, pontuados apenas por tons terrosos. As estampas, que remetiam à Art Noveau, compunham uma textura quase que inebriante que contrastavam em peso e profundidade com a rústicidade de materiais tais como cascas de laranjas, fibras de bananeira, macramê em crochê e bambu. O grande mérito da designer esteve na transformação desses produtos em uma coleção sofisticada e extremamente feminina.

Já no segundo desfile, a estilista Juliana Lopes Martins mostrou uma coleção inspirada no universo navy - com seus marinheiros, navios, redes e nós. As cores iam dos tradicionais branco, vermelho e marinho aos tons de oxidação provocada pela maresia. Seus tecidos brincavam com diferentes texturas numa mesma peça - em muitas delas, a leveza da seda, macia e delicada, se integrava com o peso seco do tafetá e enchia os olhos com a riqueza e aquecimento do veludo. Em outras, as transparências surgiam, sutis, em meio a decotes quadrados nas costas. As correntes e os trançados, fundamentais para o mundo dos Navegantes, foram desenvolvidos em parceria com a cooperativa Amarril, de São Paulo.

Dos marinheiros para os imigrantes, foi assim a passagem para o desfile de Carolina Satie que com sua coleção contou a história da chegada dos europeus ao Brasil. Branco, vermelho, azul, amarelo, verde e preto compõe a cartela de cores que remete às bandeiras dos países inspiradores. Como não poderiam faltar, os xales, itens comuns a esses personagens, aparecem na coleção num quadriculado sem costuras, onde as tiras vermelhas e brancas se encaixam ao longo da peça, sendo apenas arrematadas em suas pontas. Ótimo o trabalho com tecidos planos, leves em sua maioria, frutos da época e do choque térmico que os imigrantes sofreram ao chegar às quentes terras brasileiras.

E por falar em Brasil, nada mais nacional e tropical que a cana-de-açúcar - estrela da coleção de jóias da designer Luiza Pereira, que foi desenvolvida em parceria com a cooperativa Associart, de Barra Bonita no interior de São Paulo. Quadrados, retângulos e cículos eram permeados de fibras da cana, entrelaçada com fios de seda. Um misto de rústicidade e brilho formavam colares, brincos, pulseiras e anéis inigualáveis. Antes do desfile, um vídeo mostrando o detalhe das peças, que na passarela seriam mostrados por modelos vestidas tais como as trabalhadoras dos canaviais paulistas - lenços, sobreposições, galochas - tudo composto num styling impecável.

Por fim, a Fábrica MorumbiFashion apresentou o trabalho de Andrea Sahyoun, que trabalhou com as mais diversas formas da lã - fio bruto, tricô, tapeçaria e prensados tomaram contornos fortes e pesadas em um desfile muito bem sucedido. As formas da coleção são amplas, e em peças em denim lembram o japonismo dos anos 70, com suas estruturas que assim como ocultam, seduzem. Em resumo, o desfile levou ao fim da apresentação um universo maravilhoso de texturas, possibilitado apenas pela ampla gama de formas artesanais utilizadas.

(Geovanna Morcelli)

UOL Cursos Online

Todos os cursos