Paulo Borges fala sobre as tops, os desfiles e as outras novidades do SPFW

CAROLINA VASONE
Da Redação

  • Reprodução TV UOL

    Paulo Borges, diretor artístico do SPFW, usa uma linguagem pop para abordar a cultura africana

    Paulo Borges, diretor artístico do SPFW, usa uma linguagem pop para abordar a cultura africana

Inspiração na África, as tops que marcarão presença na passarela, os desfiles que prometem verdadeiros espetáculos, uma nova revista de moda sob direção do evento, as exposições e a volta do salão de negócios de moda para dentro da Bienal. Estas e outras novidades da edição de verão do São Paulo Fashion Week, que começa na próxima quarta (12), foram contadas por Paulo Borges, em entrevista pela TV UOL.

O diretor artístico da maior semana de moda do país começou por detalhar a tão comentada temática africana da temporada. Com inúmeras referências e culturas dentro de um grande Continente, Paulo Borges conta que escolheu utilizar uma linguagem pop para abordar a cultura africana, tendo como fonte de pesquisa a África do Sul. "Nosso discurso tem a ver com as fusões, a miscigenação, a mestiçagem. É a maneira, que estamos colocando, de como acreditamos que o brasileiro deve se ver. Temos esse olhar, esse ritmo. É uma herança africana, mas não só africana", diz, sobre a relação do Brasil com o tema eleito.

Cenário, Vídeos e Coleções

Essa mistura afro-brasileira vai acontecer dentro da Bienal de várias maneiras. A começar pelo cenário da consagrada diretora, dramaturga, figurinista, e claro cenógrafa, Daniela Thomas. O papelão, já utilizado na cor natural na outra edição, agora é estampado com desenhos geométricos e primitivos e fotos tiradas durante a viagem de cerca de dez dias que Thomas fez à África com a equipe do SPFW.

Imagens, desta vez em vídeo, das andanças africanas, também aparecerão nos vídeos de abertura dos desfiles. "Misturamos o que captamos na viagem com cenas registradas no Brasil. Não dá para saber o que é de lá e o que é daqui", afirma Borges.

Apesar do diretor afirmar que a África é apenas tema do evento, não necessariamente uma tendência de moda, vários estilistas se inspiraram, de diferentes maneiras, no Continente, para criar suas coleções de verão. "No caso do Alexandre Herchcovitch, foi uma tremenda coincidência. Eu disse que ia viajar para a África, e ele respondeu: 'Ah é? Minha coleção tem a ver com a África'. Ele pesquisou sobre uma tribo específica", conta Paulo Borges.

Fábia Bercsek, Lino Villaventura, Zoomp e Vide Bula são outras marcas que também usarão a África em seus desfiles.

Espetáculos e moda praia

Para Paulo Borges, a moda praia, no verão, sempre promete grandes apresentações. "Mesmo porque só desfilam uma vez por ano", lembra. Entre o time pé na areia, devem promover shows à parte a Sais (segunda grife da Rosa Chá), a Cia. Marítima, a Movimento e a Água de Coco, acredita o diretor. Alexandre Herchcovitch, Ellus - que fará uma espécie de "desfile instalação" no bosque do Parque do Ibirapuera - e Cavalera - com desfile masculino no Autódromo de Interlagos -, completam o time das superproduções.

Top Models

"A gente muito mais lança (tops) do que recebe. Isso é uma característica importante", acredita Borges, que aponta Isabeli Fontana, Raquel Zimmermann, Solange Wilvert, Isabel Goulart e Carol Trentine no time das estrelas da temporada. Além disso "new tops" internacionais também devem dar suas largas passadas por aqui. "São novas tops que estão experimentando o mercado", diz Borges. "Estou tentando trazer a Adriana Lima, porque quero que ela fotografe para a segunda edição da revista (leia abaixo), mas não sei se vai dar, por conta da agenda dela."

Fora das Passarelas

Eventos paralelos aos desfiles sempre dão o que falar no São Paulo Fashion Week. Nesta edição, os destaques ficam por conta do lançamento de um calendário com fotos das 25 principais top models brasileiras, com imagens de Gisele Bündchen, Marcelle Bittar e outras, da exposição sobre os dez anos da marca de Marcelo Sommer no "House of Palomino", em Pinheiros, e do lançamento da revista "ffwMAG", publicação de moda do São Paulo Fashion Week. "A revista vai ter quatro números por ano e será vendida em banca. A primeira edição foi toda feita na África, a segunda será na Bahia", conta Borges.

Nesta edição, outra atração do evento, somente para os compradores de atacado (infelizmente...), é o espaço de negócios FW House, que voltou para o prédio da Bienal e terá as coleções desfiladas à venda.

Rio Alto Verão

Depois de terminada a edição de verão do São Paulo Fashion Week, os fashionistas vão se preparar não para o inverno 2007, mas para a semana de alto verão. Esta é a mais nova menina dos olhos de Paulo Borges, que reunirá 25 marcas no Rio de Janeiro em novembro, no evento batizado de Rio Alto Verão, com desfiles de coleções de "balneário" ou de "Cruzeiro". "A característica é a de uma moda de extrema sofisticação, porque pega uma época de muitas festas. É uma roupa usada como uma manifestação essencialmente sedutora e de prazer", diz Borges.

As grifes participantes ainda não estão confirmadas, com exceção da Rosa Chá, mas nomes como o da Forum estão praticamente certos para o evento.

UOL Cursos Online

Todos os cursos