Franceses defendem o direito de homens usarem saias

Da Ansa, em Paris

São cada vez mais numerosos na França os homens que defendem "a libertação do guarda-roupa masculino", exigindo o direito de livrar-se da "ditadura das calças" e adotar a saia como peça de vestuário.

"Por séculos os homens vestiram saias e vestidos, inclusive no Ocidente", explicou Dominique Moreau, de 39 anos, fundador e presidente da associação Homens de Saia, que já conta com cerca de 30 membros, "somente a ponta do iceberg de centenas de homens que há anos manifestam na internet, em sites como www.c-tendance.com e www.jupeskirt.eu, sua vontade de abandonar as calças", informou o jornal francês Liberation.

Todos querem diversificar o guarda-roupa masculino, muito mais restrito que o feminino, e pedem direitos iguais, para poder também vestir saias e vestidos "pelo conforto e pelo prazer".

"Não somos animais de circo, nem exibicionistas. Nosso movimento não tem nada de folclórico", disse Moreau, que defende a "emancipação masculina", reivindicando o "direito de dispor plenamente do próprio corpo, nos moldes da liberação feminina".

As saias são "mais confortáveis, mais amplas", não "restringem as partes íntimas, e por isso são mais adequadas à fisionomia masculina", observou Jerome Salomé, de 32 anos, que em 2005 fundou o site Homens de Saia (www.i-hej.com), nome adotado pela associação de Moreau em 2007.

Para Salomé, um dos maiores problemas é encontrar saias para homens em lojas de roupa. Exceto modelos caros das grifes francesas Agnès B e Jean Paul Gaultier e alguns sites na internet, "as grifes de moda em geral não ousam propor modelos de saias para homens, temem por sua imagem". "É uma pena, porque haveria mercado", observou Moreau.

UOL Cursos Online

Todos os cursos