O resveratrol, abundante no vinho, confirma os benefícios da bebida para a saúde

WASHINGTON, 3 Jul 2008 (AFP) - O resveratrol, antioxidante abundante no vinho tinto, desacelera a deterioração do organismo, sobretudo as funções cardiovasculares ligadas à idade, segundo o observado em cobaias sumetidas a um regime alimentar normal, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira.

Esta pesquisa, conduzida e financiada em parte pelo Instituto nacional americano sobre o Envelhecimento (NIA), foi realizada após os resultados dos trabalhos de 2006 que mostraram que o resveratrol melhorava a saúde dos ratos que sofriam de excesso de peso.

As conclusões do último estudo confirmam os resultados das pesquisas anteriores levam a pensar que o resveratrol, uma molécula encontrada nas uvas e nas amoras, principalmente, imita entre os ratos certos efeitos da redução de calorias, meio mais eficaz descoberto até agora para minimizar os efeitos da idade e prolongar a vida entre os mamíferos.

Estes últimos trabalhos, divulgados pela revista Cell Metabolism na edição de 3 de julho, podem ainda aumentar o interesse já grande gerado pelo resveratrol como tratamento potencial contra os danos da idade, ressaltaram os pesquisadores do NIA (Instituto Nacional da Idade - National Institute on Aging).

Eles destacaram ainda que sua pesquisa foi baseada em ratos e não em humanos e, portanto, não podem aplicar imediata e diretamente às pessoas cuja saúde é submetida a uma variedade de fatores totalmente diferentes dos que afetam os animais de laboratório.

Os cientistas compararam vários grupos de ratos. O primeiro era alimentado normalmente, o segundo submetido a um regime alimentar rico em calorias, e outro era alimentado um dia a cada dois. Alguns ratos de todos os grupos tinham um complemento de resveratrol fraco ou de alta dose.

"O resveratrol produziu efeitos consideráveis sobre a saúde dessas cobaias", destacou o doutor Richard Hodes, diretor do NIA.

"Os efeitos benéficos provados para a saúde dos animais com restrições calóricas e a possibilidade de seus efeitos serem reproduzidos com o resveratrol confere um grande interesse a esta molécula", acrescentou.

Este estudo mostrou sobretudo que o resveratrol impediu nos ratos a deterioração de suas funções cardiovasculares resultantes do envelhecimento e do excesso de peso, como indicaram vários dados.

O colesterol total foi nitidamente reduzido entre os ratos de 22 meses e não obesos após dez meses de tratamento com resveratrol.

Além disso, a aorta dos ratos de 18 meses obesos e normais que tomaram um complemento de resveratrol funcionava muito melhor que as dos outros animais do estudo. Enfim, o resveratrol diminuiu a inflamação cardíaca.

Este antioxidante também melhorou o equilíbrio e a coordenação motora dos ratos mais velhos e vários outros sinais vitais.

Mas apesar desta melhora das funções vitais os ratos tratados com resveratrol, estes cientistas não constataram um aumento notável de sua longevidade.

UOL Cursos Online

Todos os cursos